Blog

Proteínas x Emagrecimento


Imagine um time de futebol em que todos os jogadores são atacantes — sem goleiro, zagueiros ou meio-campistas. Seria um caos, não? A equipe inteira estaria focada em marcar gol, mas não haveria ninguém para defender e criar jogadas. Agora, transponha essa situação para o nosso organismo, que precisa de vários nutrientes para obter energia, reparar tecidos e se proteger de invasores. Sem substâncias com diversos papéis, também ficamos alvos de desfalques, que, nesse caso, significam ceder espaço a distúrbios. Não é por menos que os especialistas repetem o velho mantra de equilibrar a dieta e colocar na balança as vantagens e as desvantagens de aumentar o consumo de um nutriente específico. A bola da vez, há algum tempo, é a proteína.

Duas pesquisas esquentam a discussão sobre incrementar ou não a oferta proteica ao cardápio. O primeiro, da Universidade Purdue, nos Estados Unidos, aponta o lado positivo dessa estratégia: a proteína, de fato, aumenta a saciedade e evita ataques à geladeira à noite. A digestão desse nutriente é mais difícil e lenta. Então, ele passa mais tempo no estômago.

No entanto, o nutriente não escapa de acusações. Outro trabalho, este da Universidade de Aberdeen, na Escócia, sugere que os fãs de menus hiperproteicos correm maior risco de câncer no intestino. É que os mais fanáticos pelo ingrediente muitas vezes deixam de lado carboidratos e vegetais. Aí a dieta se torna mais rica em gordura e fornece menos vitaminas e minerais, abrindo espaço para diversas doenças.

Será que vale a pena, então, enfrentar esse risco com o intuito de emagrecer? Segundo os especialistas ouvidos por SAÚDE, a resposta é não. Para eles, a recomendação de ingestão diária preconizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já contempla a dose saudável e segura. O ideal é consumir entre 0,8 e 1,2 grama de proteína por quilo de peso corporal todo dia. Uma pessoa de 60 quilos, por exemplo, deve comer cerca de 60 a 80 gramas por dia. A literatura diz que para hipertrofia podemos utilizar até 2,7 g, mas para casos mais específicos, lembre-se que o que conta é QUALIDADE da proteína consumida e não a QUANTIDADE.

Apesar dessa vocação para promover sensação de barriga cheia, a dieta farta em proteína está saindo de moda. Saciedade por saciedade, é preferível recorrer às fibras. Essas substâncias fornecidas por frutas, verduras, legumes e cereais integrais também passam lentamente pelo estômago e, mais do que isso, estabilizam o funcionamento do intestino, facilitando a tarefa de enxugar as medidas, além de terem comprovações científicas na prevenção de varias doenças.

Então o segredo está em não restringir nenhum tipo de nutriente, podemos comer de tudo, porem tudo na quantidade e momento certo. Essas dietas de moda são muito torturantes! Na reeducação alimentar você pode comer, pão, leite, chocolates, arroz, batatas, sobremesas, etc… é só ter a consciência e orientação correta do seu consumo, não precisa sofrer e nem passar fome para emagrecer! Evite frustrações, faça o correto!


Constipação Intestinal x Alimentação


O que é constipação intestinal?

Mais conhecida como prisão de ventre a constipação intestinal é um problema que atinge grande parcela da população moderna. A constipação é caracterizada pelo número de evacuações inferior a três vezes em uma semana;  pela diminuição do número de evacuações considerado usual nos últimos meses, ou, dificuldades para evacuar normalmente.

A constipação intestinal pode muitas vezes ser um sintoma de algum outro problema gastrointestinal, ou somente consequência de uma alimentação  pobre em fibras. Outros fatores além da alimentação também influenciam o surgimento da constipação, como idade, mais comum em idosos, sexo feminino sofre mais com o problema, e nível de atividade física, mais comum em indivíduos sedentários.

Para saber a causa da constipação intestinal é indicada uma consulta médica acompanhada de exames laboratoriais. O tratamento mais eficaz é feito pela suplementação de fibras naturais (através dos alimentos) ou de fibras manipuladas em farmácias de homeopatia. A primeira opção é sempre bem vinda e eficaz na maioria dos casos de constipação intestinal. O uso contínuo ou esporádico de medicamentos laxativos é terminantemente prejudicial!

Consequências da Constipação Intestinal

A constipação intestinal, definitivamente, causa um transtorno considerável ao organismo. O resultado desse estresse pode ser percebido de diversas maneiras. O inchaço e dor abdominal são os sinais percebidos em um primeiro momento, com o passar do tempo outros sinais começam a surgir como: mal humor, irritabilidade, cansaço, pele oleosa e gases.  Em longo prazo a constipação intestinal pode contribuir para o aparecimento de doenças mais graves como apendicite, câncer de cólon, obesidade e diabetes.

Alimentação e Constipação

Os alimentos podem ser divididos em dois grupos principais: laxantes e constipantes.

De uma maneira simples para evitar a constipação intestinal deve-se dar preferência ao grupo dos alimentos laxativos e evitar os alimentos constipantes. Não estamos falando aqui de nenhuma dieta especial e sim combinar os alimentos de maneira certa e aderir isso como rotina alimentar. Abaixo uma pequena listagem dos alimentos constipantes e laxantes.

Constipantes: arroz, chá preto ou mate, batata, chuchu, cará, inhame, ovo cozido, presunto, salsicha, pães, banana-maçã, caju, goiaba, maçã, bolachas, cenoura cozida, mandioca.

Laxantes: verduras em geral, aveia, abacate, azeitona, ameixa, abóbora, óleos vegetais, abacaxi, cebola, feijões, lentilha, repolho, creme de leite, pepino, tomate, chocolate, iogurte, quiabo, grão de bico, manteiga, sorvete, mamão, laranja, castanhas, manga, maçã, limão (suco concentrado), pêra.

Um detalhe importante na prevenção da constipação intestinal é a hidratação. Tomar no mínimo 2 litros de água por dia (equivalente a 8 – 10 copos) é imprescindível pra o funcionamento intestinal adequado. Outra dica, não menos importante, é manter o corpo ativo, a atividade física também ajuda na regulação do trânsito intestinal.

Observação

Esse artigo tem caráter apenas instrutivo e aplica-se a parte da população que é saudável, não substituindo consultas de nutricionistas e médicos. Ao ser observado qualquer acontecimento anormal deve-se consultar um profissional da área.


Alimentos Integrais x Refinados


É uma prática muito comum para aqueles que hoje buscam uma vida mais saudável optar pelos alimentos integrais. Porem algumas pessoas ainda não sabem realmente a diferença entre eles, vamos lá:

Os alimentos refinados são aqueles que no processo de industrialização perdem as cascas, germe e película do grão, e por isso são menos nutritivos e geralmente pobres em fibras. Já os alimentos integrais podem ser definidos como aqueles cuja estrutura não foi alterada, mantendo a integridade de seus nutrientes sem perda de valores qualitativos e quantitativos.

Um erro muito comum que os pacientes acabam relatando é: depois que comecei comer alimentos integrais notei que meu peso começou aumentar. Fique atento, o fato de você apenas fazer a substituição não significa que terá perda de peso, tudo depende da quantidade de alimentos ingerido. Se antes você comia 4 colheres de servir de arroz branco (e estava ganhando peso) e fato de comer 4 colheres de servir de arroz integral não está alterando em nada a quantidade de calorias da sua refeição, mas sim, qualificando em mais vitaminas, minerais e fibras. Isso mesmo, alimentos refinados e integrais tem em média a mesma caloria. E então você deve estar se perguntando, qual a vantagem de consumi-los?

– Os alimentos integrais mesmo tendo a mesma caloria dos refinados, tem suas vantagens de consumo por proporcionar ao a nos mais vitaminas (Complexo B), minerais (Cálcio, ferro, fósforo, potássio, etc…) e fibras dietéticas (que atuam no bom funcionamento do intestino e na prevenção de doenças cardiovasculares). Lembrando que o consumo de alimentos integrais, seguido de uma prática muito simples, a mastigação, pode auxiliar no emagrecimento, pois devido as fibras, trás maior sensação de saciedade e a fome demora mais tempo a voltar.

E lembre-se, sempre procure um profissional para te orientar no processo de emagrecimento, saúde é coisa séria.