Grupos de emagrecimento: será que isso é para mim?


Evolução… evolução… evolução…

 

Desde que a primeira molécula do universo surgiu, a evolução já começou e nunca mais parou e nunca mais vai parar. Seres humanos estão em constante mudanças e adaptações, uma bem favoráveis outras nem tanto! Com tanta tecnologia e tanta evolução estamos cada dia com mais massa corporal. Os principais motivos: transição nutricional, fatores genéticos, oferta de produtos de alto índice glicemico e gorduras, SEDENTARISMO e problemas psicológicos.

Hoje é comum abordar qualquer pessoa na rua e essa dizer que já fez, ou está fazendo algum processo para controle ou eliminação de peso. Independente do método utilizado!

Esse texto abaixo, quero trazer você que já diz ter tentado de TUDO para atingir um peso ideal e até hoje não conseguiu e que passa pelo efeito sanfona desde que se entende por gente.

Tentar de tudo? Talvez você ainda não tentado ou se tentou, pode até ter tentando certo, mas talvez não estivesse PREPARADA para o processo. Nenhum profissional é culpado pelo insucesso do processo e sim o quanto você não se dedicou e se realmente o profissional tomou alguma conduta que não te agradou você tem a opção de trocar ou ser fraco com o mesmo sobre mudar a forma de acompanhamento! (mas isso é texto para outro momento).

Uma nova proposta que vem ganhando campo nos dias de hoje são os GRUPOS DE EMAGRECIMENTO, e muitos artigos científicos e na prática eles vem mostrando resultados. Alguns dos motivos que tornam esse método um sucesso:

> O objetivo em comum entre os participantes:  todos estão buscando o mesmo objetivo e sofram as mesmas angustias e dificuldades.

> A troca de experiencias motiva as pessoas durante o processo: ver no outro as dificuldades e ele conseguir atingir objetivo é motivador.

> Geralmente em grupo, o paciente tem suporte de mais profissionais e uma equipe interdisciplinar apresenta mais eficacia por trabalhar mais pontos ao mesmo tempo e tudo integrado.

> Pelos encontros serem mais constantes aumentam a dedicação e determinação.

> etc..

 

A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é apontada como uma estratégia bastante eficaz no tratamento da obesidade. Indivíduos com excesso de peso têm maior risco de desenvolver uma série de doenças e condições médicas, além de associar-se a vários estressores interpessoais. O presente trabalho tem como objetivo relatar a experiência resultante da intervenção em TCC em grupos (TCCG) em participantes que visavam emagrecimento dentro de uma clínica multiprofissional. Considerando o conjunto de dados qualitativos obtidos sugere que houve uma melhora clinicamente significativa no que tange as dificuldades interpessoais, ao grau de adaptação social, à autoestima, aos níveis de ansiedade, ao sentimento de bem estar das participantes e a diminuição da compulsão alimentar, além da redução objetiva do peso.

Atualmente o número de pessoas sedentárias cresce de forma avassaladora, e obtendo números alarmantes de pessoas inativas, chegando a ocupar segundo o Ministério da Saúde, cerca de 18 milhões de pessoas, ou seja, 14% dos brasileiros estão enquadrados nestes levantamentos (CONFEF, 2012). Portando, vale ressaltar, que o sedentarismo junto com maus hábitos alimentares, tem total influência para o acúmulo excessivo de gordura corporal, e por consequência adquirir um estado de obesidade (Simão, 2007).

Fleck e Kraemer (2006), quais confirmam que o treinamento de força vem contribuir de forma significativa para a redução da porcentagem de gordura corporal, já que há uma elevação do metabolismo devido aumento da massa muscular, já que com isso, há um aumento no gasto energético consequente da oxidação de calorias. O treinamento de força refere-se a uma modalidade de atividade física, com um grande número de variáveis (volume, intensidade, frequência, duração, recuperação, equipamentos, tipo de treinamento etc.) que quando acontece um acompanhamento adequado, pode trazer resultados e benefícios significativos aos praticantes.

images (1)

 

Muitos pacientes obesos referem ingestão alimentar compatível com os parâmetros da normalidade. Alguns, involuntariamente, ocultam parcela significativa do volume energético efetivamente ingerido. É extremamente difícil medir a quantidade de energia consumida. Pesquisa mostrou, em revisão, que 70% dos obesos informam valores fisiologicamente improváveis de energia ingerida. O controle de energia consumida está baseado em um conjunto de interações que formam a psicobiologia do comportamento alimentar, envolvendo o apetite, os processos fisiológicos e metabólicos, e o sistema nervoso. A busca por comida, surgida da necessidade do processo metabólico, é determinada por sistemas sensórios específicos, associados ao cheiro e gosto.

Restrição alimentar é uma estratégia comportamental e cognitiva, que as pessoas usam para controlar o peso corporal. O termo restrained eating foi definido como uma tendência a restringir o consumo alimentar conscientemente, a fim de prevenir o ganho de
peso ou promover sua perda. Estudo envolvendo 387 famílias francesas, num total de 1320 indivíduos entre 11 e 65 anos, objetivou descrever os padrões alimentares de famílias francesas e avaliar a relação entre consumo dietético, perfil alimentar e sobrepeso. Os resultados mostraram que a restrição alimentar foi significativamente relacionada com excesso de peso e menor ingestão energética em homens e mulheres. Em mulheres, foi associada à menor ingestão de proteínas e carboidratos.

Estudos demonstraram que unrestrained eaters, pessoas que não restringem o consumo de alimentos, ou nondieting, pessoas que não fazem dieta, comem menos após um lanche altamente energético. Esta regulação de energia é normal, isto é, a pessoa compensa o lanche comendo menos, posteriormente. Porém, restrained eaters, pessoas que restringem o consumo alimentar, comem mais depois de um lanche altamente energético. Este comportamento é explicado pela desinibição do controle cognitivo,
uma vez que acreditam ter excedido o consumo alimentar permitido com a ingestão do lanche energético.

images (3)

Aqui ressaltei apenas as três variáveis mais estudadas e citadas na literatura. Mas vale lembrar que todo procedimento estético, terapias alternativas, massagens, são válidos por permitir que o paciente reserve parte do seu dia para buscar um bem estar e querer estar bem consigo mesmo!

 

Conheça o grupo que trabalho no site: www.despertesemagra.com.br

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *